OCCASIONAL PAPER #18: A BATALHA DA LINGUAGEM

1. Introdução

O famoso escritor francês Victor Hugo (1802-1885) observou: “resistimos à invasão dos exércitos; não resistimos à invasão das ideias”. Uma das frases mais repetidas por Mises - e atribuída por alguns [1] ao pintor americano William McGregor Paxton (1869 – 1941) - é que as ideias são mais poderosas do que os exércitos. Acredito não apenas que todos estavam cobertos de razão, mas também que, nessas poucas palavras, conseguiram transmitir uma lição formidável de otimismo e, mais do que isso, um convite para que todos acreditemos na inexorabilidade do longo prazo, no tempo bergsoniano como fonte permanente de descobertas e aperfeiçoamento. Como escreveu Lew Rockwell,

“As ideias ignoram as fronteiras.  Elas não são inibidas por meras questões espaciais.  Elas são perfeitamente capazes de atravessar os limites do tempo.  Elas crescem e se difundem por meio de ações e decisões individuais sobre as quais absolutamente ninguém possui controle algum.  No final, o fato é que os governos são incapazes de gerir e impor as ideias.  Muitos são, inclusive, emasculados por elas”.[2]

 

Ora, assim como os armamentos usados pelos exércitos são transportados em caminhões, aviões, helicópteros ou mesmo pelas tropas de infantaria, as ideias são expressas – e isso é uma simples tautologia – por meio da linguagem, que é o meio sistemático de comunicá-las por meio de sinais convencionais sonoros e escritos (linguagem verbal) e gestuais, corporais, geométricos e mímicos (linguagem não verbal).

É a linguagem, portanto, o elemento mediante o qual expressamos nossos pensamentos, ideias, opiniões, expectativas e sentimentos. É o elemento comunicador por excelência: onde há comunicação, há necessariamente linguagem. A linguagem é o sistema de sinais que utilizamos para efeito de nos comunicarmos e a linguística é o estudo dos fenômenos segundo os quais as línguas evolvem.

Você pode ter uma ideia excelente, até mesmo genial, mas, se não souber comunicá-la, essa ideia não se espalhará e você perderá a batalha. Nunca é demais relembrar o velho José Abelardo Barbosa de Medeiros, mais conhecido como Chacrinha (1917- 1988), um comunicador popular fantástico, que tinha como um de seus famosos motes “quem não se comunica se trumbica”. Pura sabedoria popular, sem qualquer pretensão de erudição, mas que, para determinados fins, vale mais do que certos tratados de Filosofia da Linguagem [3].

Pois bem, o ponto em que desejo chegar é que, fora do âmbito teórico, os liberais, no Brasil e no mundo, vêm se trumbicando há muitos anos, simplesmente porque, embora suas ideias sejam as melhores, não têm sabido comunicá-las devidamente para a sociedade. Ou seja, até o presente momento nós simplesmente ainda estamos perdendo a batalha da linguagem. E de goleada. O que devemos, então, fazer, já que, neste bendito ano da graça de 2016, a esquerda - ao que parece - está perdendo rapidamente espaço em todo o mundo e sabendo que, se nada fizermos, ou se adotarmos alguma postura ineficaz, essa esquerda – que é bastante organizada – irá recuperar o terreno, com todas as consequências que isso trará em termos de obstáculos à geração de riqueza e da melhoria do padrão de vida em todo o planeta?

 

2. A paródia da “linguagem das doninhas”

Weasel word é uma gíria inglesa para designar palavras evasivas ou ocas. Em português usamos a expressão linguagem das doninhas, essa mesma ouvida incessantemente na TV, em bares e reuniões de intelectuais, na internet e nos jornais e que cria em suas vítimas o hábito de não pensar, substituindo a lógica pelos chavões e palavras de ordem. Ai de quem, sabendo pensar por conta própria, recusa-se a falar esse dialeto maldito! É logo tachado de ''elitista'', ''conservador'', “misógino”, “racista”, “machista”, “homofóbico”, “nazista”, “coxinha” e - ignomínia das ignomínias! - ''politicamente incorreto'', além de outros adjetivos “xingativos”.

Em Dilbert and the way of the weasel: A Guide to Outwitting Your Boss, Your Coworkers, and the Other Pants-Wearing Ferrets in Your Life, um livro satírico de bastante sucesso, [4] o economista e cartunista americano Scott Adams (1957) estabelece a proposição de que muitas pessoas - mais exatamente, as que se deixam dominar pela ditadura do ''politicamente correto'' - agem como as doninhas ou mustelas, aqueles mamíferos capazes de sugar todo o conteúdo de um ovo, por um minúsculo furo que conseguem fazer, deixando-o aparentemente intacto. A humanidade, segundo essa sátira, não seria formada por pessoas boas ou más, mas sim por doninhas. Assim, o autor introduz sarcasticamente a Zona da Doninha, uma gigantesca área cinzenta entre o bom comportamento moral e a criminalidade aberta, que é de onde nos ''exploram'' sem parar: chefes, empresários, fazendeiros, executivos, países e pessoas ricos, banqueiros, Donald Trump, Angela Merkel, enfim, todos os que são bem sucedidos na vida. Em vinte e sete hilariantes capítulos, Adams revela os segredos desses seres escorregadios, como reconhecê-los e como agem, denominando de weaseleze a língua oficial das doninhas, útil para ninguém entender racionalmente o que é dito e confundir os inimigos, como parte da estratégia gramsciana de implantar o socialismo sem recorrer às armas convencionais.

Passando da sátira ao mundo real, esse comportamento de bois ao som do berrante que domina a sociedade atual é certamente uma das etapas derradeiras do processo de degradação cultural, em que a linguagem se desconecta da experiência inteligente e emite apenas tênues sinais de vida social. Aquilo que quase todos se põem a dizer já se mostra inteiramente desconectado dos acontecimentos, fatos e ações racionais do mundo real, para refletir apenas opiniões conduzidas e sem qualquer embasamento, segundo a clivagem binária rudimentar entre nós e eles.

Imagine uma explanação qualquer feita por um professor e que atenda aos requisitos da lógica e suponha que o raciocínio desse docente o conduza a, por exemplo, defender as privatizações. O homem que é guiado pela linguagem politicamente correta, então, dirá simplesmente que discorda, sem qualquer preocupação quanto a explicar por que discorda. Muito provavelmente, se lhe perguntarem o motivo, ficará em maus lençóis. Isso acontece porque aquilo com o que ele discorda nada tem a ver com a sua vivência dos fatos reais, mas sim com o comando que lhe foi exarado - como que do além -, de que “privatizar é dilapidar o patrimônio público”. Logo, ele instantaneamente colocará o professor do lado deles e, portanto, contra o nós que lhe foi impregnado desde o ensino básico como o time dos bonzinhos.

Para usarmos a nomenclatura do filósofo alemão Eric Voegelin (1901-1985) [5] essas pessoas vivem em uma segunda realidade, aquela que povoa seu imaginário e que é absolutamente alheia ao mundo real, formado pela primeira realidade, aquela que é factual, que de fato existe.

Temos, então, uma grave situação, em que os sons emitidos pelo professor são reconhecidos como característicos de uma linguagem racional, mas compreendidos – e passados adiante - como o de uma comunicação irracional, como a dos animais.

 

3. O veneno de Bakhtin, Gramsci, Piaget e Freire

A degradação da linguagem se dá quando essa anomalia se estende aos jornais, à TV, à internet, ao rádio, aos discursos dos políticos e – como é triste escrever isso! – aos intelectuais e professores universitários. [6]

Argumentar para quê, se esses teleguiados já dispõem dos escudos dos chavões, palavras de ordens e todas as doninhas do mundo para protegê-los? Mostrar racionalmente por que se discorda dessa ou daquela afirmativa para quê, se é suficiente buscar-se a leniência do grupo nós? Buscar convencer o outro lado para quê, se é mais fácil intimidá-lo com a demonstração de que esse mesmo grupo é mais barulhento do que o grupo deles?  Em suma, não há qualquer necessidade de demonstrar-se que se está com a razão, porque o que importa é amealhar o maior número possível de autômatos que compõem o nós e segregar os demais – mesmos que estes sejam a maioria – no curral utilizado para isolar a influência nociva de todos os mal-intencionados, ou seja, eles.

Mas é evidente que essa verdadeira ditadura das doninhas conhecida como linguagem politicamente correta não está acontecendo por acaso. Tudo isso foi pensado, planejado e executado pacientemente, durante décadas, como um incessante trabalho de formigas, pela esquerda em todo o mundo. Para não retrocedermos em demasia no tempo, vamos nos referir apenas ao filósofo russo Mikhail Bakhtin (1895-1975) e ao também filósofo italiano Antonio Gramsci (1891-1937), bem como aos educadores Jean Piaget (1896-1980), e Paulo Freire (1921-1997), todos comunistas.

Bakhtin enxergava a linguagem como um processo permanente de interação por meio do diálogo e não apenas como um sistema autônomo. Assim, a língua só existe mediante o uso que locutores ou escritores e ouvintes ou leitores fazem dela, em situações concretas de comunicação. Definiu noções de análise da linguagem com base em discursos e crônicas artísticos, filosóficos, científicos e políticos. Segundo ele, o ensino, o aprendizado e a linguagem deveriam subordinar-se ao sujeito, aquele agente dos acontecimentos responsável pela criação dos discursos e ideias. E – os negritos são meus – os enunciados sempre são trabalhados pelo sujeito tendo em vista os objetivos ideológicos, sociais, históricos e culturais. Isso lembra a você alguns dos partidos de esquerda? Pois é.

As relações entre linguagem, ideologia e hegemonia de Gramsci e Bakhtin são bastante semelhantes.  Analisando os conceitos bakhtinianos de heteroglossia (a diversidade social de tipos de linguagens) e dialogismo (o processo de interação entre textos, em que estes não são considerados isoladamente, mas concatenados com outras proposições similares) e a definição gramsciana de hegemonia (as relações de domínio de uma classe social sobre o conjunto da sociedade), conclui-se que as visões de linguagem e subjetividade de ambos são convergentes e que, a partir de uma discussão sobre os conceitos de poder, discurso e ideologia, consideram a linguagem e o sujeito como processos capazes de refutar e criticar os poderes e discursos prevalecentes.

O sardo de Ales, Antonio Gramsci, certamente é mais conhecido no Brasil do que Bakhtin como uma das maiores referências do pensamento esquerdista no século XX. Il Gobbo (o corcunda), assim apelidado por conta de um defeito físico, alinhava-se com o projeto político que visa à revolução proletária, mas se distinguia porque acreditava – e, novamente, os negritos são meus - que a chegada ao poder deveria ser antecedida por mudanças de mentalidade e que os agentes dessas mudanças deveriam ser os intelectuais e a ferramenta essencial deveria ser a escola.

Enquanto a maioria dos pensadores marxistas enfatizavam as relações entre economia e política, Il Gobbo deu maior importância à ação ideológica nos campos da educação, da cultura e da intelligentsia no processo histórico de transformação. Muitos de seus conceitos permanecem atuais e – o que é pior – são postos em prática por governos e políticos esquerdistas em todo o mundo. Por exemplo, é dele o de cidadania, pois foi Gramsci que levou à pedagogia a “conquista da cidadania” como um dos objetivos das escolas. Estas deveriam ser manipuladas para o que denominou de “elevação cultural das massas”, alegoria que, segundo ele, representaria a libertação das populações da visão de mundo baseada em “preconceitos” e “tabus” (a religião seria um deles), bem como dos usos e costumes tradicionais que impediriam a crítica das “classes dominantes”.

A maior parte da obra de Gramsci foi escrita na prisão, por ordem de Mussolini e só veio a ser divulgada depois da sua morte. Desse período, há duas obras: as Cartas do cárcere, com mensagens a parentes ou amigos e os famosos 32 Cadernos do cárcere,  que não eram originalmente destinados à publicação. Para esconder-se da censura fascista, adotou uma linguagem cifrada, repleta de conceitos originais, como bloco histórico, intelectualidade orgânica, sociedade civil e hegemonia, e de expressões novas, como filosofia da práxis como sinônimo de marxismo. Sua escrita, a exemplo da de Nietzsche, é fundamentalmente fragmentada, com inúmeras passagens que se limitam a sugerir reflexões.  

Segundo Gramsci, “toda relação de hegemonia é necessariamente uma relação pedagógica”, isto é, de aprendizado. E obtém-se a hegemonia mediante uma luta de direções contrastantes, primeiramente no campo da ética e depois no da política. Para Il Gobbo, era necessário primeiro conquistar as mentes e só depois o poder. 

No campo da educação, duas influências consentâneas com essas ideias a influenciaram de maneira muito forte. A primeira foi a do francês Jean William Fritz Piaget, para quem as crianças só podiam aprender o que estavam preparadas a assimilar e aos professores  caberia tão somente a tarefa de aperfeiçoar o processo de descoberta dos alunos.[7] Piaget criticou acidamente a modalidade de ensino onde “o professor dita e o aluno copia e repete”.

Crítica endossada pela segunda das influências, o pernambucano Paulo Freire, o pedagogo endeusado pela esquerda de nosso país, autor de A pedagogia do oprimido, [8] seu método dialético de alfabetização, em que denominou jocosamente aquela maneira de educar de “educação bancária”. Freire é – e não posso me furtar de aduzir – infelizmente, o patrono da educação brasileira. O que, certamente, explica as péssimas colocações do Brasil em todos os rankings internacionais divulgados anualmente. Mas trata-se, dizem seus adoradores, de pedagogia crítica, o que para mim não passa de uma antecipação do dialeto weaselese para designar o grande equívoco que é o marxismo.

Sempre que ouço ou vejo o nome de Paulo Freire, lembro-me de Roberto Campos, que não se cansava de se referir a ele como o educador que jamais educara uma criança sequer. Mas vale a pena verificarmos até que ponto suas divagações alucinatórias iam. À educação “bancária” ele contrapunha a educação “libertadora”. [9]

A primeira seria uma relação “vertical” entre educador educando. Um deteria o conhecimento e a capacidade de pensar, o outro seria o objeto que recebe o conhecimento e segue o mestre. O educador “bancário”, então, "depositaria" conhecimentos nos alunos e estes passivamente os receberiam. Tal concepção de educação teria como objetivo intencional formar indivíduos acomodados, não questionadores e que se submeteriam à estrutura de poder vigente, sem objetivos de crescerem na vida, e teria sido idealizada para acobertar os interesses dos “dominadores”. Trata-se de uma trama muito bem urdida por Freire: ao mesmo tempo em que alerta que educar para pensar é algo perigoso para eles e em que defende as mudanças, propõe uma solução que, ao fim e ao cabo, bestializa os alunos, destruindo sua inteligência e sua própria capacidade de pensar como indivíduos autônomos; e ao mesmo tempo em que critica a educação “vertical” ou “bancária”, sugere outra verticalidade de viés totalitário, a do Estado sobre os indivíduos, transferindo a autoridade de pais e professores para seu exército de ideólogos ocupando as salas de aula.

    
Segundo sua nomenclatura, uma “educação libertadora ou problematizadora” seria aquela que não separasse professor e aluno, em que ambos seriam concomitantemente educadores e educandos. Em suas palavras:

“Desta maneira, o educador já não é o que apenas educa, mas o que, enquanto educa, é educado, em diálogo com o educando que, ao ser educado, também educa”. A educação libertadora abre espaço para o diálogo, a comunicação, o levantamento de problemas, o questionamento e reflexão sobre o estado atual de coisas e, acima de tudo, busca a transformação. [10]

Repare no recorrente estratagema dialético que consiste em dividir tudo o que existe no mundo na suposta dicotomia entre nós e eles, sem a qual o socialismo-comunismo não pode existir: nós, os bonzinhos, os socialistas-comunistas de caráter ilibado e ótimas intenções e eles, os malvados defensores do capitalismo, da propriedade privada e da economia de mercado, de péssima índole e intenções escusas.

Bakhtin, Gramsci, Piaget e Freire, os dois primeiros em plano mais filosófico e os dois últimos invadindo (ou ocupando, segundo o dialeto weaselese) as salas de aula, podem ser responsabilizados pelo predomínio - dito cultural - que a esquerda vem exercendo há décadas em todo o mundo. A linguagem das doninhas é fruto, como escrevi no início, de um trabalho árduo, paciente e de longo prazo da esquerda mundial. Mas, como tudo o que é errado não pode funcionar bem durante todo o tempo, as coisas estão começando a mudar.

 

4. Alguns exemplos de weaselese

Eis alguns exemplos de palavras e expressões dessa novilíngua tão bem retratada por George Orwell (1903-1950) [11] e que bem ilustram a importância dessa batalha, ao mesmo tempo em que nos exortam a eliminar esse lixo que vem contaminando seguidas gerações, destruindo sua capacidade de pensar, manipulando o idioma e cometendo enormes fraudes semânticas: [12]

Homofobia, indocumentado, aquecimento global (ou mudanças climáticas), empoderamento, machismo, patriarcado, ressignificação da família, misogenia, o uso do x em lugar dos artigos o ou a, afrodescendente, opressão, luta de classes, golpista, democracia, Estado democrático de direito, extrema direita, mídia golpista, neoliberalismo, capitalismo selvagem, identidade de gênero, justiça social, dívida histórica, xenofobia, ocupação (no lugar de invasão), eurocentrismo, islamofobia, heteronormativismo, elite, classista, burguês, pobre de direita, negro de direita, direito social, distribuição de renda, cultura do estupro, apreensão (no lugar de prisão) de menores, função social da terra, desconstrução, oficina, poliamor, homoafetivo, medidas sócio-educativas, transexualidade, problematização, opressão do homem branco, medieval (aplicado à Igreja Católica), transfobia, progressismo, conservadorismo, consciência social, função social, desmatamento, ações afirmativas, minorias, elitista, preconceituoso, pública, gratuita, de qualidade e socialmente referenciada (ao se referir à educação e à saúde), polícia cidadã, relativização, gênero, direitos humanos, cidadãos críticos, povos da floresta, neo (aqui basta acrescentar qualquer palavra), globalização (no lugar de globalismo), excluídos, presidenta, dieta balanceada, manifestantes, minha fala, inclusão, interrupção voluntária da gravidez, espírito republicano, autonomia do corpo, dreito da mulher ao próprio corpo, católicas pelo direito de decidir, sociedade justa e igualitária, saúde reprodutiva, questão de gênero, orientação sexual, autoritarismo (como sinônimo de hierarquia), consenso, dignidade humana, micro-agressão, problematizar, portador de deficiência, polêmica, cadeirante, questionamento, indivíduos em situação de risco social (criminosos), demandas do nosso tempo, bom dia a todos e todas, pessoa em transição entre empregos (desempregado), sustentabilidade, hipossuficiência, santuário (para florestas, parques e habitats de animais) e muitas, muitas e muitas outras.

Poderia continuar (existem até dicionários com essas palavras) [13], mas creio que isso já seja suficiente.

 

5. Combatendo o bom combate da linguagem

Todo esse discurso contaminado ideologicamente tem uma característica indisfarçável, que é a negação da verdade, o que se explica pela orientação marcantemente relativista do socialismo-comunismo e, no plano prático, pelos conhecidos conselhos do nacional-socialista Goebbels, de que uma mentira repetida mil vezes torna-se verdade, bem como pelo ensinamento de Lenin de acusar os adversários do que você faz e chamá-los do que você é. Essa turma não está aí para brincadeiras e é bastante organizada, basta mencionarmos que a Internacional Socialista é bastante antiga e a própria existência do Foro de São Paulo.

Mas parece que uma nesga de esperança começa a se descortinar neste final de 2016, em que a esquerda brasileira foi batida e humilhada nas eleições municipais, a presidente petista foi destituída, a Inglaterra escolheu o Brexit, Hillary Clinton perdeu para Donald Trump, Hollande está com sérios problemas na França, a bandeira da responsabilidade fiscal está mais visível e as pessoas estão acreditando cada vez menos nas ditas soluções políticas.

A batalha das ideias aí está e o que devemos fazer para vencê-la, aproveitando-nos dessa aparente derrocada do esquerdismo? Aqui vou apenas dar algumas sugestões genéricas, ao mesmo tempo em que indicar um curso - Guerra Semântica - criado por Dante Mantovani, especialista em linguística, para estudar metodicamente o tema e mostrar como restabelecer a verdade semântica em dez lições, com abordagem aprofundada e fundamentação sólida. Aqui você pode assistir ao vídeo em que ele fala sobre o curso.

A primeira coisa que devemos fazer para ganharmos a batalha da linguagem é nos insurgir contra a mentira e, para combatermos a mentira, temos que necessariamente reconhecer que existe verdade. Isso não quer absolutamente dizer que pretendamos ser seus donos, apenas que devemos mostrar todo o arsenal de embustes que se esconde atrás dessa linguagem politicamente correta da esquerda. A mentira não pode prevalecer durante muito tempo e, em se tratando das ideias socialistas, seu tempo já é mais do que passado.

Assim, reaja sem medo, assim que você ouvir alguma dessas palavras ou expressões envenenadas, mostrando que você tem cérebro e que ele funciona, mesmo se você foi treinado na escola por professores do método Freire. Mostre que o socialismo-comunismo jamais funcionou em país algum, não funciona e nunca vai funcionar.

Para isso, é preciso que você faça um pequeno esforço, começando pela supressão dos jornais e documentários de TV e dos jornais impressos, que estão impregnados de doninhas. Busque outras fontes de informação! A internet aí está para isso. A lei da demanda funciona sempre e, portanto, caindo a demanda por esse verdadeiro lixo, os proprietários de TVs e de jornais terão que se livrar dos maus jornalistas, que são na verdade militantes. Se não agirem assim, vão quebrar. Mercado neles!

Se você tem filhos na escola, acompanhe tudo o que os professores estão fazendo com eles, porque a responsabilidade é toda sua! Se perceber a existência de professores militantes – e certamente isso vai acontecer – vá à escola e diga que seu filho não está ali para ser doutrinado por ideias de esquerda ou de direita, mas para aprender. Se a coordenação ou direção da escola não se mostrar receptiva, ameace trocar de escola e se nem assim funcionar, troque. Aqui o mercado também funcionará.

Se você é universitário e está cansado dessa xaropada doutrinadora, desse lerolero esquerdista que domina os cursos de ciências humanas, especialmente nas universidades públicas, comece a contestar respeitosamente seus professores. Use argumentos e não se impressione nem com a idade, nem com a barba e a sandália do seu professor petista ou psolista ou com aquele vestido sempre comprido e os cabelos desalinhados da professora marxista, porque a maioria deles não tem argumentos e os que tiverem argumentos muito provavelmente irão respeitar também os seus. Se eles não respeitarem você, ficarão mal perante a turma.

E se você, tal como eu, é professor universitário, tenha sempre em mente uma famosa frase de Mises, a de que basta haver um solitário professor que tenha as ideias certas - e que saiba transmitir sua lógica - em um departamento, para que um grande número de alunos se interesse e busque aprofundar-se nelas. A esse respeito posso, por experiência própria, assegurar que o "bom velhinho" estava coberto de razão. E para incentivar seus alunos a não abandonarem seus intentos diante das enormes dificuldades representadas pela cultura predominantemente de esquerda, diga para eles que se têm convicção de que suas ideias são corretas, então sigam a máxima: o sentido é mais importante do que a velocidade!

 

Referências:

 1. Segundo, por exemplo, Lago, Samuel (org), “Os pensamentos são mais poderosos que os exércitos”, um livro que reúne 1200 pensamentos, que pode ser encontrado aqui.

2. Rockwell, Lew, As ideias são mais poderosas que exércitos, disponível em http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=656, consultado em 21/11/2016

3. Por exemplo, segundo Olavo de Carvalho, o autor do Tractatus Logico-Philosophicus, o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein (1889-1951), um dos membros do famoso círculo de Viena e primo de F. A. Hayek, “se notabilizou pelo seu ódio insano à ciência, que ele considerava a raiz de todos os males modernos, e pela precariedade dos conhecimentos de matemática e linguística com que se meteu a enfrentar os problemas da linguagem filosófica”. In: Cigarras e formigas (Meus caros críticos — II), encontrado em http://www.olavodecarvalho.org/semana/120204msm.html

4. Publicado em 2002 por Harper Business, New York.  

5. Ver, por exemplo, Voegelin, Hitller e os alemães, É Realizações, São Paulo, 2008

6. Um excelente artigo a respeito é: A animalização da linguagem, de Olavo de Carvalho, publicado no Diário do Comércio de 6/5/2013 e que pode ser lido aqui.

7. Revista Educação - História da Pedagogia, nº 1,. Editora Segmento. São Paulo (2010), pgs. 1-35

8. Freire, Paulo. Pedagogia do oprimido, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1968

9. Ver, por exemplo, Freire, Paulo. Educação ‘Bancária’ e Educação Libertadora in: Patto, Maria Helena (org). Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1971.

10. Freire, ibid.

11. Autor de A revolução dos bichos (1945) e Mil novecentos e oitenta e quatro  (1949)

12. Devo agradecer aos inúmeros amigos que, atendendo ao pedido que coloquei no facebook para darem exemplos de weaselese, em questão de minutos lotaram o meu post de sugestões.

13. Por exemplo, o Dicionário do Politicamente Correto, de Henry Beard e Christopher Cerf, editora LPm, s/data.



[1] Segundo, por exemplo, Lago, Samuel (org), “Os pensamentos são mais poderosos que os exércitos”, um livro que reúne 1200 pensamentos, que pode ser encontrado aqui.

[2] Rockwell, Lew, As ideias são mais poderosas que exércitos, disponível em http://www.mises.org.br/Article.aspx?id=656, consultado em 21/11/2016

[3]  Por exemplo, segundo Olavo de Carvalho, o autor do Tractatus Logico-Philosophicus, o filósofo austríaco Ludwig Wittgenstein (1889-1951), um dos membros do famoso círculo de Viena e primo de F. A. Hayek, “se notabilizou pelo seu ódio insano à ciência, que ele considerava a raiz de todos os males modernos, e pela precariedade dos conhecimentos de matemática e linguística com que se meteu a enfrentar os problemas da linguagem filosófica”. In: Cigarras e formigas (Meus caros críticos — II), encontrado em http://www.olavodecarvalho.org/semana/120204msm.html

[4] Publicado em 2002 por Harper Business, New York.  

[5] Ver, por exemplo, Voegelin, Hitller e os alemães, É Realizações, São Paulo, 2008

[6] Um excelente artigo a respeito é: A animalização da linguagem, de Olavo de Carvalho, publicado no Diário do Comércio de 6/5/2013 e que pode ser lido aqui.

[7] Revista Educação - História da Pedagogia, nº 1,. Editora Segmento. São Paulo (2010), pgs. 1-35

[8]  Freire, Paulo. Pedagogia do oprimido, Paz e Terra, Rio de Janeiro, 1968

[9] Ver, por exemplo, Freire, Paulo. Educação ‘Bancária’ e Educação Libertadora in: Patto, Maria Helena (org). Introdução à Psicologia Escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1971.
 

[10]  Freire, ibid.

[11] Autor de A revolução dos bichos (1945) e Mil novecentos e oitenta e quatro  (1949)

[12] Devo agradecer aos inúmeros amigos que, atendendo ao pedido que coloquei no facebook para darem exemplos de weaselese, em questão de minutos lotaram o meu post de sugestões.

[13] Por exemplo, o Dicionário do Politicamente Correto, de Henry Beard e Christopher Cerf, editora LPm, s/data.